Home Notícias Propagação vegetativa: não é apenas por sementes que se reproduz uma planta

Notícias

Propagação vegetativa: não é apenas por sementes que se reproduz uma planta

A propagação vegetativa é um método de reprodução de plantas que está mais perto do nosso dia-a-dia do que imaginamos.

A propagação vegetativa é uma forma de multiplicar os vegetais. Normalmente, quando pensamos no crescimento de uma nova planta, o que primeiro vem à nossa cabeça é a semente na terra e esperar que ela cresça e se desenvolva.

No entanto, as sementes não são o único meio de multiplicar e gerar uma planta nova. Isso, porque os vegetais podem se reproduzir de forma assexuada (ou seja, sem ocorrer a fecundação e produção de sementes). Essa reprodução ocorre por meio de partes de plantas, que originam indivíduos geralmente idênticos à planta-mãe, ou seja, clones.

Esse tipo de reprodução é muito comum em plantas ornamentais e plantas frutíferas. Um exemplo disso no nosso cotidiano é a mudinha que trocamos com amigos.

Multiplicação de plantas por propagação vegetativa

A forma mais técnica de se chamar o ato de reproduzir plantas por partes de outras é propagação vegetativa. Propagação é sinônimo de reprodução, e vegetativa vem da utilização das partes do vegetal (células, tecidos, órgãos ou propágulos).

A principal diferença entre a reprodução de plantas por semente, da reprodução por partes da planta, é a variabilidade genética. O surgimento de uma semente se dá pela união do grão de pólen (masculino) com o óvulo (feminino) da planta. No entanto, quando essa combinação não acontece e a planta é multiplicada por tecidos de partes do vegetal, é gerado um clone, ou seja, plantas idênticas (sem variação genética).

É possível também induzir variabilidade genética em laboratório. Isso pode ser feito por meio de mutações induzidas com produtos químicos ou por transformação genética, no desenvolvimento de plantas transgênicas. Essas técnicas são bastante utilizadas no melhoramento genético de algumas espécies, como: milho, laranja, soja e algodão.

SAIBA MAIS

Transgênicos, conheça os produtos que revolucionaram a agricultura no mundo

A propagação vegetativa pode ocorrer de forma natural ou induzida. Naturalmente, quando a multiplicação se dá por estruturas próprias da planta. Já de forma induzida, é realizada de forma artificial pelo produtor.

Propagação vegetativa natural

Uma importante habilidade da propagação nas plantas é o desenvolvimento de raízes, que podem surgir em estruturas diferentes da planta, como em caules ou folhas. Também podem surgir de rizomas, bulbos, tubérculos e brotos.

Para ilustrar, seguem algumas espécies vegetais e suas estruturas com potencial de originar novas plantas:

Crédito foto superior: Stefan Walkowski, Wikimedia Commons; CC BY-SA 3.0

Propagação vegetativa induzida

É a propagação realizada por meios artificiais, com a intervenção humana. As técnicas que mais são usadas são a estaquia, enxertia e a alporquia. Muitos agricultores, empresas de biotecnologia e produtores de mudas utilizam essas técnicas para produzir culturas com maior qualidade e com baixa incidência de doenças. 

Essa prática é muito comum para espécies frutíferas e florestais. A produção de mudas por essa técnica deve ser feita a partir de plantas-fonte saudáveis e livres de doenças. Para a realização dessas práticas são necessárias e obrigatórias mudas certificadas. 

O método de estaquia consiste em escolher um bom galho e colocá-lo no solo, com boa umidade. Desse galho irão surgir raízes e folhas, e logo se tornará uma planta idêntica a “mãe”. Essa prática pode ser utilizada nas culturas de tomate e eucalipto. Vale lembrar que nem todas as espécies vegetais são capazes de se multiplicar por estaquia. 

Tecnicamente, a parte que recebe o explante é chamada de cavalo, e o fragmento de cavaleiro. O cavalo é responsável pela nutrição do cavaleiro. Ele quem vai fornecer nutrientes e água para que a nova planta inicie seu crescimento e desenvolvimento. Além disso, pode modificar o porte da planta, e conferir também tolerância a algumas doenças e efeitos climáticos, como a seca.

Por meio dessa técnica é possível, inclusive que tenhamos vários tipos de plantas em um mesmo pé. Por exemplo, podemos encontrar uma planta produzindo laranja de um lado e limão do outro. Ou até mesmo ter um pé produzindo jiló, berinjela e tomate, todos juntos.

Esse método é muito utilizado na produção comercial de mudas de citros, abacate, manga, uva, tomate, e uma série de espécies vegetais frutíferas e hortaliças.

Na alporquia um ramo novo da planta é selecionado e dele é retirada a casca (aproximadamente 2 cm), formando uma espécie de casa. Essa casa é preenchida com fibra de coco ou qualquer substrato umedecido. Depois, é envolvida em um plástico transparente para que a umidade seja conservada e para que seja mais fácil ver as raízes que serão formadas. As extremidades do plástico são amarradas com barbante ou fita, ficando parecido a um bombom.

Após o surgimento das raízes o ramo é separado da planta mãe e deve ser plantado no solo. Onde será formada uma nova muda. Essa técnica é usada em lichia, jabuticaba, hibiscos e outras espécies.

Plantas-mãe, as que servem de modelo

O sucesso da propagação vegetativa é influenciado por fatores como:  espécie, estações do ano, condições fisiológicas da planta matriz, tamanho, tipo e hora de coleta do explante, produtos químicos aplicados, entre outros.

Antes de todas as técnicas e procedimentos da reprodução vegetativa induzida, é necessário escolher as plantas que serão modelos para a multiplicação de seus clones. Essas plantas são chamadas de plantas matrizes, ou plantas-mãe.

Além disso, a seleção de matrizes apresenta-se como um dos aspectos mais relevantes a serem considerados. As características de uma boa planta matriz vão depender da espécie que se está multiplicando. No entanto, algumas características devem sempre ser consideradas:

A seleção dessas plantas que servirão de modelo é imprescindível para o sucesso do cultivo. Afinal, todas as plantas produtivas serão, teoricamente, iguais a ela.

Vantagens e desvantagens da propagação vegetativa

As principais vantagens da propagação vegetativa são: 

Já as desvantagens são:

Desafios e perspectivas na propagação vegetativa

A propagação vegetativa é bem estabelecida para algumas culturas e proporcionam um alto rendimento na sua produção. Para cultura do eucalipto, por exemplo, a técnica de propagação garante ao produtor maior controle sobre as características de suas árvores.

Também proporciona madeira de melhor qualidade. Partindo de mudas selecionadas, com bom crescimento e/ou resistência a pragas e doenças.

Em algumas plantas frutíferas, o uso da cultura de tecidos permite a rápida propagação de um grande número de plantas idênticas e livres de doenças. Por isso, essa técnica se tornou rotina para muitos sistemas de cultivo de frutas. 

Porém, quando falamos de plantas nativas brasileiras, ainda somos impactados com o pouco conhecimento. E justamente para elas, a multiplicação é um desafio, visto que, a propagação é uma das principais dificuldades para iniciar o seu cultivo comercial com sucesso. 

Um exemplar muito conhecido dessas plantas nativas é a jabuticaba. É comum ela estar em muitos quintais e pomares domésticos e alguns pomares comerciais. Porém, como as mudas são feitas via semente, ela demora muito para começar a produzir e podem desenvolver características genéticas que não são desejadas por quem produz.

Por isso, algumas pesquisas para realizar a propagação vegetativa e driblar esses problemas estão sendo realizadas com sucesso, viabilizando a exploração comercial e a valorização dessa frutífera brasileira.

Testando diferentes formas de propagação, os pesquisadores brasileiros já alcançaram mais de 70% de eficiência utilizando a enxertia na jabuticaba. Já a técnica da estaquia teve um sucesso de 10%, até agora. No entanto, a técnica que mais se mostrou eficiente foi a alporquia, com mais eficiência acima de 80% na formação de mudas.

Com isso, essas pesquisas deverão estimular e viabilizar economicamente a multiplicação desta frutífera para cultivos comerciais, seja para produção de frutos frescos ou para processamento. 

 

Fontes

Roberto, S.R.; Colombo, R.C. Innovation in Propagation of Fruit, Vegetable and Ornamental Plants. Horticulturae. 2020.

SILVA, J. A. A., et al. Advances in the propagation of Jabuticaba tree. Rev. Bras. Frutic. 2019.