Home Notícias Sementes ilegais: uma grande ameaça à produção agrícola

Notícias

Sementes ilegais: uma grande ameaça à produção agrícola

As sementes são a base de uma lavoura sadia e produtiva. Nelas estão contidas características genéticas que asseguram maior produtividade, adaptabilidade, tolerância a pragas, doenças e resiliência aos problemas climáticos. 

Quando as sementes são produzidas em conformidade com a legislação, elas passam por um rigoroso controle em todas as etapas de desenvolvimento e geração de plantas, com o objetivo de preservar as características genéticas e a identidade da cultivar. Esses cuidados resultam em lavouras uniformes e com alta produtividade.  

Todavia, muitos produtores de sementes não respeitam todo esse processo, produzindo-as em desacordo com a regulamentação. São as chamadas sementes ilegais. 

O que são sementes ilegais?

Dá-se o nome de “sementes ilegais” ou “sementes piratas” para aquelas que não possuem nenhum tipo de certificação ou garantia de procedência, ou seja, são produzidas fora do Sistema Nacional de Sementes e Mudas (SNSM), o qual é regulamentado pelo Decreto 10.586/2020. 

Também são ilegais as sementes reservadas como material de propagação pelo produtor, sem observar o que é determinado pelo Decreto 10.586/2020 e pela IN 09/2005 – que definem as regras para a produção e a comercialização de sementes no Brasil e para exportação – e pela Lei de Proteção de Cultivares 9.456/1997, que assegura ao desenvolvedor propriedade de uma determinada cultivar.

Para se ter ideia da dimensão do problema, é preciso conhecer como funciona o sistema de produção de sementes legais e certificadas. 

Sementes certificadas: pesquisa, investimento e rigor técnico

Quando uma semente é produzida em conformidade com a regulamentação, ela é chamada de semente certificada. Para que as sementes se enquadrem nessa classificação, elas devem atender aos padrões de qualidade e de identidade definidos pela legislação brasileira e serem produzidas por empresas que recorrem ao Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM). 

Boas sementes são resultado de anos de pesquisa em melhoramento genético para o desenvolvimento de cultivares com características que agregam valor à produção. Tudo tem que seguir processos e protocolos rigorosos.

Sementes certificadas possuem origem conhecida e alta qualidade, esta é determinada por uma série de atributos:

As áreas destinadas à produção, chamadas de campos de produção de sementes, são isoladas e registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O isolamento garante que não ocorra contaminação com o pólen de outras espécies. Além disso, todas as etapas de cultivo são fiscalizadas, desde a avaliação prévia da área até a colheita. Após a colheita, as sementes passam por testes de laboratório para avaliar a pureza e as qualidades fisiológica e sanitária.

Depois dessa etapa, os lotes aprovados são levados para unidades de beneficiamento (UBS). Nessas unidades, as impurezas e materiais indesejáveis são retirados, como grãos quebrados e sementes de outras espécies. A classificação por tamanho, peso, idade, entre outros atributos, também é feita nesses locais. As sementes que não estiverem dentro dos padrões de classificação não podem ser vendidas para o agricultor. 

Quando uma semente é considerada ilegal?

A ilegalidade na produção ou comercialização de sementes ocorre quando:

Por que as sementes ilegais são produzidas e comercializadas?

Não aceite sementes ilegais: denuncie!

 

A produção e comercialização ilegal de sementes e mudas é, na atualidade, uma infração muito comum no país. Agricultores as adquirem por facilidade de acesso, por seu baixo custo ou até mesmo por falta de conhecimento. Geralmente, as sementes piratas são vendidas no mercado informal e comercializadas por fornecedores descredenciados e falsificadores.

A maioria dos casos de ilegalidade ocorre quando sementes são salvas por produtores para uso próprio e acabam comercializando o que restou de maneira ilegal.  Nesse caso, a ilegalidade é facilitada pelo acesso rápido, pela falta de conhecimento e pelo baixo valor que necessita ser investido. Também, são muitos os casos em que o produtor quer diminuir seus custos de produção e adquire sementes piratas. Essas chegam sem nota fiscal, sem registro e sem qualquer certificação ou garantia de produtividade.

 

Dimensão da ilegalidade de sementes no Brasil

A estimativa, de acordo com a Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem), é de que 30% do mercado de sementes seja de origem desconhecida. Esse montante pode variar para diferentes culturas. O feijão, por exemplo, é a espécie mais pirateada do país, chegando a atingir 90% do mercado abastecido com sementes ilegais. Outras espécies entre as mais pirateadas incluem arroz (44%), algodão (43%), soja (29%), trigo (25%) e milho (8%).

As estimativas de prejuízos causados nesse cenário no Brasil são de 2,44 bilhões de reais por ano, sendo 220,4 milhões no Paraná, 646 milhões no Rio Grande do Sul e 300 milhões em Santa Catarina. 

Impactos: ilegalidade é sinônimo de prejuízo

O uso de sementes piratas acarreta inúmeros prejuízos que vão desde a perda de rendimento e de lucratividade nas principais culturas até impactos ambientais e socioeconômicos. Dentre os impactos causados pelas sementes ilegais estão:

Penalidades incluem multas, destruição de lavouras e detenção

O Decreto 10.586/2020 promove a diferenciação clara entre o usuário e o produtor ilegal de sementes e mudas, estabelecendo condutas infracionais distintas, proporcionais às atividades, bem como penalidades ao produtor ilegal que atua fora do SNSM (Art. 146 ao 149). 

Todos os envolvidos nesse mercado ilegal estão sujeitos a sanções e penalidades. O que significa que quem for flagrado produzindo, processando, embalando, comercializando e utilizando para plantio sementes piratas ou ilegais, pode ter os produtos apreendidos, lavouras destruídas e ainda pagar multas que variam de 5% a 125% do valor comercial do produto. Atos criminais (furto, roubo, contrabando e pirataria) estão sujeitos às penas legais que incluem multas e prisão, variando de acordo com cada tipo de infração. 

Se ficar caracterizado crime de concorrência desleal, baseado no fato de que o “pirateiro” está se utilizando de meio ilegal para vender produto por valor muito abaixo do preço de mercado, fica sujeito à pena de 3 meses a 1 ano de detenção.  

Conscientização é essencial 

Ao decidir comprar semente, o produtor deve buscar um fornecedor idôneo, que lhe assegure o suprimento de um produto de origem conhecida e de alta qualidade, que é determinada pelo somatório dos atributos físicos (semente pura, livre de material inerte e de contaminantes), genéticos (sementes geneticamente puras e livres de misturas com sementes de outras cultivares), fisiológicos (sementes com altos vigor e germinação) e sanitários (sementes livres de propágulos de plantas daninhas e de patógenos). 

São várias as razões que movem o agricultor a utilizar semente certificada na implantação de sua lavoura:

Apoio à fiscalização

Saber diferenciar as sementes piratas das sementes legais é o primeiro passo para evitar o fomento da ilegalidade no setor e os prejuízos que ela pode causar. Ao realizar a compra, o produtor deve ficar atento a vários aspectos do produto a ser adquirido, incluindo embalagem, informações do rótulo e nota fiscal.

Banner campanha contra ilegais

Como reconhecer sementes piratas?

Para identificar se as sementes são ilegais, o produtor deve sempre desconfiar quanto elas se apresentarem nas seguintes condições:

Como identificar sementes legais?

Quando em conformidade com a legislação, as sementes devem apresentar:

Não aceite sementes ilegais: denuncie!

Quando suspeitar de qualquer irregularidade na produção, comercialização, transporte, armazenamento ou utilização de sementes, denuncie. Acesse. 

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais