Home Conceitos Protocolo de Nagoya é aderido pelo Brasil em 2021

Conceitos

Protocolo de Nagoya é aderido pelo Brasil em 2021

O Protocolo de Nagoya é um acordo entre diversos países que visa assegurar o acesso justo e equitativo dos benefícios decorrentes da utilização dos recursos genéticos. Para tal, se articula com a criação de um plano internacional que pretende impedir a biopirataria e a apropriação indevida do patrimônio genético. Com isso, o protocolo também pretende contribuir com a conservação e o uso sustentável da biodiversidade.

Origem do Protocolo de Nagoya

A história do Protocolo de Nagoya tem início com a formação de um grupo de trabalho sobre Acesso e Repartição de Benefícios (GTARB), criado durante a quinta reunião da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) – COP5. A finalidade era de desenvolver diretrizes para o acesso e compartilhamento de benefícios acerca da biodiversidade

Bancos de germoplasma: ferramenta essencial para a conservação da biodiversidade do planeta

As diretrizes de Bonn, como ficaram conhecidas, foram o primeiro passo para a implementação de condições para o acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios. Sua adoção ocorreu em 2002 na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada em Joanesburgo e serviu como base para a estruturação do Protocolo de Nagoya.

O Protocolo de Nagoya sobre acesso a recursos genéticos e o compartilhamento justo e equitativo de benefícios nasce em 16 de outubro de 2010 – após onze reuniões do GTARB – Sua aprovação ocorreu durante a 10ª Conferência da Convenção sobre Diversidade Biológica, realizada, também em 2010 na cidade de Nagoya no Japão. O Protocolo foi aberto para assinatura na sede da Organização das Nações Unidas – ONU, em Nova Iorque, no dia 2 de fevereiro de 2011.

Biodiversidade e agricultura: benefício compartilhado

O Protocolo Nagoya entrou em vigor em 12 de outubro de 2014, 90 dias após o depósito do quinquagésimo instrumento de ratificação, isto é, após 50 países confirmarem o seu compromisso. Ele exige que os países membros criem leis e políticas dentro de seus próprios sistemas jurídicos para abordar os pontos destacados no protocolo.

O protocolo de Nagoya

O Protocolo de Nagoya estabelece orientações para o uso de recursos genéticos (animais, plantas, fungos, microrganismos) e também abrange o conhecimento tradicional associado a esses recursos genéticos. Com isso, revela uma preocupação em estabelecer maior segurança jurídica e transparência para fornecedores e usuários. Por isso, o Protocolo de Nagoya tem sido identificado como um importante mecanismo no sentido de: 

O Protocolo de Nagoya também atua na regulamentação do uso dos recursos genéticos pela biotecnologia moderna, visando proteger a biodiversidade de cada país e combater a biopirataria. Além disso, o Protocolo é reconhecido por agregar outros benefícios: 

Brasil adere ao Protocolo de Nagoya

Detentor da maior biodiversidade do mundo, o Brasil faz parte da Convenção sobre Diversidade Biológica desde sua aprovação no Rio de Janeiro, em junho de 1992. Além disso, o país é pioneiro no estabelecimento de uma estrutura nacional de acesso a recursos genéticos e compartilhamento de benefícios desde sua primeira Lei de biodiversidade, adotada em 2001 (restruturada em 2015). Ou seja, por 20 anos, o Brasil tem desenvolvido mecanismos para aumentar a repartição de benefícios e reconhecer o valor do conhecimento tradicional. 

Proteção de plantas e mudas (Regulamentação de germoplasma)

O Brasil foi o primeiro país a assinar o Protocolo de Nagoya e o 130 ª a ratificá-lo. O processo foi concluído com a entrega da carta à ONU em 4 de março de 2021. Com isso, o Brasil reafirma seu compromisso em desenvolver uma agricultura sustentável, promover segurança alimentar, conservação da biodiversidade e conhecimento das comunidades locais.

Ilustração dos países em que o Protocolo de Nagoya foi ratificado

A adesão ao Protocolo de Nagoya também é uma condicionante para que o Brasil possa participar da 15ª Conferência da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP15), que acontece em 2021, em Kunming, na China. Na ocasião serão discutidas e estabelecidas novas metas para a conservação da biodiversidade.

Germoplasma: a diversidade das plantas como você nunca viu

Outro fato a se destacar sobre o papel do Brasil reforçando sua adesão ao Protocolo de Nagoya é que traz em sim uma sinalização favorável ao desenvolvimento da bioeconomia. Setor crucial para avançarmos na utilização sustentável da biodiversidade e aumentar ainda mais o valor da conservação dos ecossistemas. 

 

Principais fontes

Convention on Biological Diversity. History Nagoya Protocol. Disponível em: https://www.cbd.int/abs/background/. Acesso em: 14/05/2021.

ONU.  Nagoya Protocol on access to genetic resources and the fair and equitable sharing of benefits arising from their utilization to the convention on biological diversity. 2011.

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais