Home Notícias Até sua saúde valoriza a diversidade

Notícias

Até sua saúde valoriza a diversidade

Um prato saudável tem que ser colorido e composto de todos os grupos alimentares: cereais, carne, folhas, legumes e frutos.  Nós brasileiros temos sorte! Nossa agropecuária é tão rica e diversificada quanto as exigências da boa nutrição. Somos grandes produtores de carnes, arroz, feijão, milho, frutas, hortaliças. E o melhor:  temos quantidade e muita qualidade.

Na data em que celebramos o Dia Nacional da Saúde e Nutrição, a CropLife Brasil conversou com uma craque em boa alimentação, a nutricionista Sueli Longo, do Instituto de Nutrição Harmonie.

Confira a entrevista e aproveite as dicas para manter sua saúde em dia.

Como podemos definir o que é uma boa alimentação?

Uma boa alimentação é aquela que vai te fornecer a quantidade de energia e de nutrientes para manter o corpo funcionando. Ou seja, para manter a sua saúde e lhe dar condição para prevenir de doenças.

A definição de saúde pode ser complicada. Porque, por vezes, a pessoa já tem outros fatores de risco que não sejam relacionados à nutrição, e sim a doenças.

O que precisamos para ter uma dieta alimentar saudável?

O que consideramos hoje é um padrão alimentar saudável. Temos abolido um pouco a palavra dieta porque ela ganhou um tom negativo. Apesar do significado da palavra não ser restrição, as pessoas fazem essa uma leitura, como sendo um processo restritivo. Sendo que a “definição” de dieta é viver bem.

Um padrão alimentar saudável parte do pressuposto que não existem alimentos proibidos. Agora, o tem que gerenciar é a quantidade consumida.

Cada grupo de alimentos tem uma importância para a saúde. Se pensarmos em legumes, verduras e frutas, eles têm um baixo valor de energia e tem uma riqueza muito grande de nutrientes em sua composição.

Hoje, esses alimentos são considerados como os que deveríamos ter todos os dias na alimentação – um consumo ideal de 400 gramas entre hortaliças e frutas. Os cereais, grãos, leguminosas também precisam fazer parte da alimentação diária. A versão integral é melhor ainda, porque mantém as características dos micronutrientes como fibras, vitaminas e minerais.

O grupo das proteínas como o leite e os laticínios também é importante, pois fornecem cálcio Assim como as carnes que fornecem ferro. Os óleos e gorduras precisam ser consumidos, mas em quantidade reduzida.

Todos esses alimentos são importantes pensando numa alimentação saudável. Agora se pensarmos em alguma pessoa que tenha alguma doença, vai se ter alguma restrição.

E não podemos esquecer do consumo da água que faz parte da alimentação saudável.

Como escolher os alimentos para nossa dieta?

É importante ter a alimentação variada, contemplando todos os grupos de alimentos e, também, diversificar dentro deles. Por exemplo, há uma enorme variedade de frutas dentro desse grupo. Quando se faz uma escolha respeitando a safra, a regionalidade, a tabela de sazonalidade, você consegue um fruto de bom preço e de sabor interessante porque está na sua melhor fase.

Essa variedade é importante porque evita a monotonia e proporciona o consumo de quantidades de nutrientes diferentes. É preciso estar aberto para experimentar. E o que a gente percebe na alimentação do brasileiro é a monotonia.

Como está a alimentação do brasileiro nessa fase de crise na saúde pública que estamos enfrentando?

A pandemia trouxe uma mudança geral na alimentação. Primeiro, tem o aspecto econômico. Houve alta no preço dos alimentos e uma redução do poder aquisitivo das pessoas, o que significa que precisam saber o que podem comprar.

Um outro aspecto, é que muita gente não tinha o hábito de preparar a alimentação dentro de casa e, agora, passa a ser responsável por isso.

E a terceiro questão é as pessoas precisam gerenciar a aquisição dos alimentos. Algumas têm entrega. Outras precisam sair para comprar. Muita gente viu a oportunidade de se cuidar mais, enquanto outros abandonaram os cuidados com alimentação.

Como promover o maior consumo de alimentos saudáveis?

Partindo do pressuposto de que não há alimentos proibidos, a gente pode promover a melhor escolha deles. Na minha linha de trabalho, acredito que as pessoas precisam ser educadas do ponto de vista da educação e saúde.

Precisam entender a importância de todos os alimentos na dieta. O que mais temos hoje são mitos em relação aos produtos, por exemplo, quando se fala em lactose ou em carboidrato ou em proteína.

No meu entender, a promoção vem da importância dos alimentos, de conhecer o conceito adequado e criar o hábito. A nutrição é pautada na ciência. É preciso orientar, com evidência científica, sobre todos os alimentos e sobre todos os nutrientes. Tínhamos que ter uma educação voltada para a saúde, que falasse dos conceitos dos alimentos, dos exercícios, da importância de se manter um peso saudável, do combate do uso abusivo de álcool, de drogas. Se tiver uma educação voltada para a saúde, fazemos prevenção de doenças.

 

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais