Home Notícias A pulverização aérea de defensivos é realmente necessária?
Notícias

A pulverização aérea de defensivos é realmente necessária?

Conheça as aplicabilidades da pulverização aérea e descubra porque essa atividade é importante para a sustentabilidade da produção agrícola no Brasil

 A pulverização aérea é uma forma de aplicação de defensivos nas lavouras por meio de aviões agrícolas. A atividade é comprovadamente eficiente e segura para o controle de pragas nas lavouras, trazendo muitos benefícios para as plantações, para os produtores e para o solo.

Porém, você já deve ter ouvido falar que esse método é muito perigoso e que o produto acaba se espalhando para além da plantação, causando prejuízo ao meio ambiente e à população que vive no entorno das áreas de cultivo.

Por causa dessa percepção, o emprego da pulverização aérea de defensivos causa controvérsia e muitos defendem que essa técnica seja banida.

Mas será que essa atividade é realmente perigosa e deveria ser proibida?

A nossa resposta para essa pergunta é “não”. E queremos esclarecer melhor porque essa tecnologia é necessária e importante para a agricultura brasileira, além de ser realizada de maneira segura.

Quantos pesticidas, efetivamente, vão para as lavouras?

Saiba mais

Em algumas situações a pulverização aérea é indispensável

Muitas vezes, a aplicação aérea de defensivos é a única alternativa para proteger as plantações das pragas, principalmente quando plantas atingem alturas elevadas, como é o caso das espécies florestais.

Para algumas culturas como a cana-de-açúcar, a banana, a laranja, o café e o milho, a pulverização aérea também é necessária devido à altura que elas atingem, chegam a medir 2 metros, inviabilizando a aplicação terrestre.

A urgência da aplicação em caso de pragas muito agressivas é outro fator que torna indispensável esse tipo de aplicação. Existem pragas como o percevejo, gafanhotos, o bicudo-do-algodoeiro e a ferrugem da soja, podem destruir uma plantação em poucos dias. Nessas situações, em grandes áreas, somente o avião permite realizar uma ação rápida de controle das pragas.

fatos históricos que relatam a eficiência da utilização da pulverização aérea no controle emergencial de nuvens de gafanhotos em diversos países do mundo como Argentina, Austrália, Brasil, Israel, Uruguai, inclusive em  força-tarefa promovida pelas Nações Unidas na África.

Por que é importante modernizar a Lei de Defensivos Agrícolas?

Leia também

A pulverização aérea é segura? Como ela é realizada?

Ao contrário do que muitos acreditam, essa atividade dispõe de uma série de tecnologias que a faz ser utilizada de maneira segura. Também, é importante esclarecer que a pulverização aérea não é utilizada em qualquer plantação.

Antes de se realizar a aplicação, a cultura agrícola precisa ser analisada por um responsável técnico com qualificação para emissão de receituário agronômico. A avaliação é baseada no tipo de cultura e de praga, a fim de se determinar qual o tipo de defensivo que será aplicado e qual a proporção necessária para o preparo da calda de pulverização.

Capacitação técnica do aplicador é fundamental para evitar riscos e prejuízos, por isso a atividade é conduzida por pilotos profissionais altamente capacitados e treinados. É necessário que o piloto possua licenças especiais e ainda estude o terreno para montar a rota de aplicação.

 

Agrotóxicos fazem mal à saúde?

Saiba mais

Também é de responsabilidade do piloto estudar o terreno para montar a rota de aplicação, observar as condições de umidade, temperatura e velocidade do vendo para poder decidir se é possível realizar a aplicação naquele momento.

Outro fator que também é muito importante é a tecnologia dos equipamentos a serem utilizados. O avião precisa ser específico para esse tipo de atividade, contendo toda a tecnologia necessária para as operações. Ele deve conter um DGPS que é um GPS de alta precisão, além de dispersores com fluxômetros acoplados para monitorar a vazão da calda a ser aplicada na plantação.

A prática é rigorosamente condicionada ao cumprimento de regras

Existe uma regulamentação específica e rígido controle para fiscalizar a pulverização aérea de defensivos. Quem fiscaliza é o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) e todo o procedimento e estabelecimento de normas e exigências é realizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A ANAC também recomenta treinamentos e manuais técnicos do programa conhecido como Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS). Esse programa tem como objetivo principal melhorar a qualidade das aplicações aéreas de defensivos por meio do incentivo à capacitação e qualificação de empresas do setor dentro do conceito de boas práticas na aplicação aérea desses produtos. Com isso, reduzir riscos de danos ambientais e manter a sustentabilidade da prática.

Inovação em defensivos agrícolas traz mais eficiência e segurança

Leia também

Devemos levar em consideração, que o uso incorreto e o desrespeito às normas e técnicas, além penalidades previstas na legislação, causaria grandes prejuízos aos produtores e aplicadores. Uma aplicação incorreta, além de não trazer o benefício da sua finalidade, gera altos custos com profissionais, equipamentos e produtos.

Benefícios da pulverização aérea

Ainda que nem todos os tipos de plantações recebam a pulverização aérea de defensivos, como as hortaliças, por exemplo, quando recomendado, esse tipo de aplicação pode ser muito vantajoso. São vários os benefícios que determinam a sua importância para a sustentabilidade da produção agrícola, dentre eles:

Viabiliza do cultivo em áreas extensas

No Brasil, que é um grande produtor e exportador mundial de alimentos, fibras e energia, temos milhares de hectares sendo produzidos. A pulverização aérea de defensivos é muito mais rápida do que a terrestre. A agilidade na aplicação permite que se realize a aplicação de forma rápida e segura em áreas extensas para atendimento da demanda do setor.

Evita o amassamento das plantas e a compactação do solo

Os aviões agrícolas utilizado nas pulverizações não tem contato com o solo e, por isso, não causa danos à plantação. Sem essa tecnologia, teríamos maior ocorrência de amassamento das culturas e maior compactação do solo devido à passagem dos tratores.

Oferece maior precisão

O uso da aeronave para as pulverizações permite que a prática seja mais assertiva. Por contar com ferramentas tecnológicas, como o GPS, é possível realizar a aplicação com mais precisão, ou seja, o produto atinge apenas a plantação alvo.

Proporciona maior uniformidade

Por permitir controle da velocidade do avião durante o processo, a pulverização aérea é muito uniforme. Além disso, existem ferramentas e sistemas automáticos de controle de vazão, que contribuem ainda mais para a regularidade da ação.

Reduz custos e economiza recursos

As aeronaves agrícolas possuem menores custos por hectare do que aplicações por pulverizadores terrestres, por apresentarem menor consumo de combustível. Sem contar que, consequentemente, apresenta redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE), devido à redução do uso de combustíveis. Além disso, a pulverização aérea gasta 70% menos água do que uma aplicação tratorizada.

Além da pulverização, a aviação agrícola possui outras finalidades

A principal vantagem do uso de aviões na agricultura é, sem dúvida, defender as lavouras contra o ataque de pragas por meio da aplicação de defensivos. No entanto, não podemos deixar de falar sobre o uso dessa atividade no combate à incêndios e na realização de semeaduras. O combate a incêndios em campos e florestas por aviação agrícola é um benefício legal que existe no Brasil desde 1969.

Já a semeadura aérea é muito utilizada em vários estados do Brasil. Esse tipo de semeadura permite terceirização do serviço sem ocupar a mão-de-obra que estaria sendo empregada na colheita de grãos; é rápida, possibilitando disponibilizar grandes áreas em poucas horas e; com aeronaves é possível realizar a “sobre-semeadura”, lançando novas sementes antes da colheita das lavouras de grãos.

Principais fontes:

BRASIL. DECRETO Nº 86.765, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1981.  Regulamenta o Decreto-Lei nº 917, de 07 de outubro de 1969, que dispõe sobre o emprego da aviação agrícola no País e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/atos/decretos/1981/d86765.html Acesso em: 11 nov. de 2022.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Aviação Agrícola. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/aviacao-agricola Acesso em: 11 nov. de 2022.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). História da Aviação Agrícola. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/aviacao-agricola/historia-da-aviacao-agricola  Acesso em: 11 nov. de 2022.

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais