Home Notícias Solo, a base de tudo

Notícias

Solo, a base de tudo

No dicionário, solo é definido como “superfície sólida da crosta terrestre onde pisamos, construímos e vivemos”, mas na prática é bem mais que isso. O solo é fundamental para a infiltração da água da chuva que recompõe os mananciais, para decompor matéria orgânica, armazenar calor e trocar gases. E é sobre a terra que plantamos nossos alimentos, fibras e demais vegetais para a produção de energia renovável.

Assim, é mais do que necessário conservarmos esse recurso natural, mantê-lo vivo e saudável. Afinal, recompor o que se perde é um processo difícil e lento.

Tecnologia à serviço da conservação

A agricultura moderna dispõe de muitas tecnologias para proteger o solo, permitindo trabalhar de forma sustentável e aproveitar ao máximo cada pedacinho de terra apropriado para a produção.

A maioria dos agricultores brasileiros já adota o sistema plantio direto, onde a nova cultura é semeada sobre a palha (restos) da lavoura anterior, com o mínimo de revolvimento do solo. Além disso, a palhada permanece no campo, preservando umidade por mais tempo, e protegendo a terra das intempéries como insolação, ventos e, principalmente, das enxurradas provocadas por chuvas pesadas. O sistema é um dos principais aliados do agricultor para evitar erosão.

“O sistema plantio direto hoje é o sistema de manejo do solo mais recomendado dentro da definição de agricultura conservacionista. Ele é utilizado em cerca de 90% da área de grãos no Brasil. No entanto, na maioria das áreas, podemos evoluir no sentido de adotar o sistema em sua plenitude, principalmente, no que se refere à diversificação de culturas.”, diz Henrique De Biase, agrônomo e pesquisador da área de manejo de solo e culturas da Embrapa Soja.

Variar as culturas de uma safra para outra, ou dentro da mesma safra, também traz muitos benefícios. A recomendação é intercalar o plantio de alguma leguminosa, como soja ou feijão com gramíneas como milho, arroz ou trigo. Por possuírem características diferentes, com a rotação há reciclagem de nutrientes de uma camada a outra do solo.

Integrar para produzir mais

Uma das principais tecnologias empregadas no Brasil para aumentar as produtividades sem precisar de mais terra, é o ILPF (Integração Lavoura Pecuária Floresta), estratégia que integra diferentes sistemas – agrícolas, pecuários e florestais (ILPF) – dentro de uma mesma área. Os cultivos e criações podem ser feitos de forma consorciada (ao mesmo tempo), em sucessão ou em rotação. O importante é que todas as atividades tenham benefício mútuo. Além disso, a estratégia está associada à redução da emissão de gases de efeito estufa. Dados da Embrapa mostram que o sistema é capaz de “sequestrar” 8 toneladas de carbono por hectare ano, o que resulta numa redução de emissão entre 20 e 30%.

Quanto mais se conhece o solo, melhor será sua conservação

A agricultura 4.0 é outra aliada importante na aplicação de técnicas conservacionistas no solo. Quanto mais informações o agricultor tem de sua terra, mais fácil fica tomar decisões importantes que impactam no custo e na produtividade das lavouras, sempre de olho na preservação.

Com a instalação de sensores, por exemplo, é possível detectar a umidade e a composição do solo (elementos e nutrientes). Assim, o produtor pode decidir a hora certa de irrigar ou quanto de fertilizante vai aplicar em cada parte da lavoura, evitando desperdícios.

Curiosidade

O Dia da Conservação do Solo é comemorado em 15 de abril. A data é uma homenagem ao nascimento de Hugh Hammond Bennett (15 de abril de 1881), considerado o pai da conservação dos solos nos Estados Unidos e o criador do Serviço de Conservação de Solos americano. No Brasil, celebra-se a data desde 1989.

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais