Home Perguntas frequentes Quais técnicas podem ser usadas para se obter um transgênico?

Perguntas frequentes

Quais técnicas podem ser usadas para se obter um transgênico?

Existem várias técnicas para se obter um transgênico. As duas mais comuns são a transformação por meio de biobalística e por meio de Agrobacterium thumefaciens.  A biobalística utiliza micropartículas de tungstênio ou ouro cobertas com o DNA que expressa a característica de interesse. Essas micropartículas são projetadas sobre o tecido da espécie que se pretende modificar a velocidades de até 1.500 km/h, sob condições de vácuo parcial (27 mmHg).

As micropartículas penetram a célula e eventualmente o DNA das micropartículas é liberado e se integra ao genoma do organismo hospedeiro. Esse sistema pode ser amplamente usado para qualquer espécie de plantas, microrganismos e animais. 

Agrobacterium tumefaciens é uma bactéria do solo atraída por compostos produzidos pelas plantas. Esses compostos ativam um conjunto de genes bacterianos, levando à transferência de um segmento de DNA da bactéria para o genoma do hospedeiro. Esse é um processo que ocorre na natureza.

Para se produzir um transgênico com a ajuda da A. tumefaciens, inicialmente, genes de interesse são inseridos no DNA bacteriano e em seguida a bactéria é colocada em contato com células do organismo receptor para transferir os genes de interesse. Esse processo é amplamente usado para células vegetais e, mais raramente, para fungos. 

Atualmente existem novas técnicas de melhoramento, tecnologias inovadoras que permitem o surgimento de diferentes variedades de plantas geneticamente modificadas ou não, com maior rapidez e precisão. Com base na informação científica atual, essas técnicas incluem nucleases “dedo de zinco” (Zinc Finger), mutagênese oligo-dirigida, cisgenia e intragenia, metilação de DNA RNA-dependente, estaquia, melhoramento reverso, agroinfiltração, biologia sintética e genomas sintéticos.

Disponibilizar essas tecnologias é fundamental para a solução de demandas associadas à sustentabilidade, à segurança alimentar e às mudanças climáticas. Além disso, essas técnicas são cruciais em áreas onde a inovação é importante para o crescimento competitivo dos mercados.