Home Notícias Produção on farm de insumos biológicos e seus riscos além do campo
Notícias

Produção on farm de insumos biológicos e seus riscos além do campo

Os riscos da produção de insumos biológicos on farm podem ser severos para a saúde humana, para a lavoura e para o meio ambiente.

A produção on farm, também conhecida como “produção caseira” ou “produção nas fazendas” de insumos biológicos consiste na multiplicação de cepas bacterianas dentro da propriedade, para uso próprio.

Hoje, os insumos biológicos, ou bioinsumos, são considerados essenciais no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como complementação ao uso de outras ferramentas mais tradicionais, como os defensivos químicos. De fato, o controle biológico tem se mostrado cada vez mais eficaz no manejo de pragas e doenças, justificando sua adoção em constante crescimento na agricultura brasileira.

Em paralelo tem se observado um crescimento na produção on farm desses produtos, que representa cerca de 22% do mercado total de biodefensivos, segundo o estudo “Riscos e impactos da produção on farm de biodefensivos” conduzido pela a IHS Markit em 2021.

Classificação dos produtos biológicos 

Saiba mais

No entanto, existe grande preocupação quanto a esse tipo de multiplicação dos microrganismos. Afinal, eles podem trazer sérios riscos para a lavoura, para a saúde humana e para o meio ambiente, caso não sejam produzidos de acordo com as normas estabelecidas na Lei 7.802/89.

O desenvolvimento de produtos biológico envolve várias etapas e rigoroso controle de qualidade

Um produto biológico leva em média 5 anos para o seu desenvolvimento, desde a identificação de potenciais novos agentes até a sua aprovação pelos órgãos competentes e registro final.

Infográfico que mostra o desenvolvimento de produtos biológicos em etapas, da identificação de novos organismos ao registro nos órgãos competentes.

Quando multiplicados de maneira inadequada, além dos riscos que podem causar na produção e na saúde, eles podem sofrer perda da eficácia e perdas econômicas pelos altos valores investidos na sua qualidade e segurança.

Nem todos os produtos de origem natural são de baixo risco

A inadequação técnica e a ausência de etapas rigorosas de controle de qualidade durante a produção on farm de microrganismos, podem levar a uma multiplicação de produtos de baixa qualidade, inseguros e ineficazes para o controle biológico, colocando a lavoura em risco. Sem contar que pode ocorrer contaminação por agentes causadores de doenças ou proliferação de espécies que produzam toxinas prejudiciais à saúde humana.

Esse tipo de contaminação pode ter consequências sérias, por vezes, até mais severas do que aquelas causadas pelo uso incorreto de produtos químicos.

A produção caseira de biológicos traz um alto risco da ocorrência de bactérias resistentes a antibióticos, além de serem causadoras de doenças como endocardite, meningite, infecções do trato urinário, conforme já comprovado em pesquisas científicas conduzidas pela Embrapa.

De acordo com o estudo realizado pela instituição, análises das sequências de DNA indicaram que em amostras de microrganismos utilizados para a Produção de Biopesticida à Base de Bacillus thuringiensis identificadas espécies como B. cereus, um patógeno associado a infecções, causando doenças periodontais e outras infecções mais graves.

Resultados semelhantes também foram observados, apontando riscos da utilização de biopesticidas à base de B. thuringiensis na França, em um trabalho publicado recentemente na PLoS ONE.

Produtos biológicos ganham mais espaço na agricultura de baixo carbono

Saiba mais

Além disso, vários outros gêneros de microrganismos encontrados nos biopesticidas “on farm” também podem apresentar riscos para mamíferos. Entre elas, os pesquisadores destacaram a presença de um isolado do gênero Microbacterium, frequentemente encontrado em isolados clínicos humanos, sendo algumas espécies resistentes a múltiplos antibióticos.

No mesmo estudo da Embrapa, a prevalência de Enterococcus casseliflavus e E. gallinarum em vários isolados mostraram-se preocupante, uma vez que estas espécies têm sido associadas à endocardite e meningite em humanos.

Outro trabalho da mesma instituição, utilizando amostras de propriedades rurais de Goiás encontrou elevado índice de contaminação por diferentes espécies de bactérias patogênicas como Enterococcus faecium e E. faecalis, comprovando seu uso inadequado como biopesticida, com potencial risco para humanos e animais.

Em propriedades que utilizam a produção on farm no Vale do São Francisco, também foi avaliada a qualidade microbiológica dos multiplicados produzidos. As análises mostraram contaminação em 100% das amostras. Cerca de 84% das amostras apresentaram quantidades elevadas de coliformes totais e 75% das amostras tiveram presença provável de Salmonella sp.

Mais um estudo onde, o sistema de multiplicação on farm representou risco potencial para a saúde tanto dos manipuladores como dos consumidores finais. Contudo, produzir microrganismos de forma precária pode ainda trazer contaminantes fitopatogênicos e toxinas persistentes no ambiente afetando o meio produtivo.

Nitrogênio: sua fixação biológica está mais perto de você do que imagina

Saiba mais

Conheça os protagonistas dos produtos biológicos disponíveis no Brasil

Saiba mais

Frequentemente, a multiplicação on farm de microrganismos é feita de forma bastante precária.   São muitos os casos de proliferação inadequada de bactérias em várias propriedades do país. Elas são multiplicadas em caixas d’água ou outros recipientes a céu aberto, sem isolamento, sem controle de temperatura e sem equipe treinada com conhecimento taxonômico para identificar e realizar contagem de células bacterianas.

Além dos riscos apresentados, há grande preocupação quanto aos problemas que possam apresentar em produtos de exportação. Sem dúvida, a presença de excesso de contaminantes em uma carga exportada resultaria em barreira ao processo, o que poderia causar sérios transtornos e prejuízos para a economia do país.

É necessário muito conhecimento técnico-científico e controle de qualidade para produzir insumos biológicos

A produção de bioinsumos exige conhecimento científico e a adoção de processos rigorosos de controle de qualidade em todas as suas etapas. O que se deseja é um produto livre de contaminantes que possam afetar a saúde das pessoas e com efetividade no controle de pragas e doenças. Para isso, é necessário acompanhamento rigoroso desde a seleção e recepção de matérias primas até o envase final.

Regulamentação de produtos biológicos

Saiba mais

A Embrapa recomenda alguns princípios básicos com informações técnico-científicas sobre a produção de bioinsumos na fazenda. Dentre eles, os microrganismos utilizados na produção na fazenda devem ser adquiridos em listas de germoplasma credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), produtor de bioinsumos precisa se cadastrar junto ao Ministério e é necessário um responsável técnico habilitado para a produção de bioinsumos nas fazendas.

Considerando que a produção on farm traz riscos para o setor agrícola, seja por falta de eficácia ou pela ausência de comprovação de segurança biológica aos humanos e ao ambiente, é preciso aprimorar a regulamentação e a fiscalização dos insumos biológicos.

Sabendo-se que empresas que registram seus produtos estão sujeitas a todas as exigências e fiscalizações impostas pela legislação, a multiplicação de bioinsumos dentro da propriedade também deveria seguir os mesmos padrões de qualidade, independentemente da dimensão da sua produção.

Produzir insumos biológicos adequadamente é uma etapa fundamental para o sucesso da agricultura e para a saúde de quem consome. Estruturar a cadeia de produção e estimular o profissionalismo são fatores primordiais na sustentabilidade dessa tecnologia.

 Principais fontes:

Bocatti, CR, Ferreira, E., Ribeiro, RA et al. Análise da qualidade microbiológica de inoculantes à base de Bradyrhizobium spp. e Azospirillum brasilense produzido “na fazenda” revela alta contaminação com microrganismos não-alvo. Braz J Microbiol 53, 267-280 (2022). https://doi.org/10.1007/s42770-021-00649-2

Bonis M, Felten A, Pairaud S, Dijoux A, Maladen V, Mallet L, et al. (2021) Comparative phenotypic, genotypic and genomic analyses of Bacillus thuringiensis associated with foodborne outbreaks in France. PLoS ONE 16(2): e0246885. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0246885

European Safety Authority (EFSA). Pesticides. Disponível em: https://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/pesticides Acesso em: 30/06/2022.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). A Embrapa divulgou a divulgação sobre a produção de biosumos na fazenda. Disponível em: https://www.embrapa.br/en/busca-de-noticias/-/noticia/66275700/embrapa-divulga-recomendacoes-tecnicas-sobre-a-producao-de-bioinsumos-on-farm Acesso em: 23/05/2022

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Avaliação da qualidade de biopesticidas à base de Bacillus thuringiensis no sistema “on farm”. Disponível em: https://www.embrapa.br/en/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1116654/avaliacao-da-qualidade-de-biopesticidas-a-base-de-bacillus-thuringiensis-produzidos-em-sistema-on-farm Acesso em: 23/05/2022

IHS Markit. 2021. Riscos e impactos da produção on farm de biodefensivos. set/2021.

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais