Home Notícias Restrições às tecnologias agrícolas intensificam os problemas de segurança alimentar
Notícias

Restrições às tecnologias agrícolas intensificam os problemas de segurança alimentar

A guerra na Ucrânia e a crise no Sri Lanka vem mostrando que restrições de tecnologias agrícolas podem afetar gravemente a segurança alimentar

À medida que os preços dos alimentos disparam, fica cada vez mais evidente a contribuição da agricultura moderna na redução da fome e no bem-estar social. É por esse motivo que não medimos esforços para falar da importância das tecnologias no campo e todas as vantagens que elas trazem para a sustentabilidade agrícola e sociedade.

Sem o uso da biotecnologia e de insumos que contribuem com a nutrição vegetal e combate às pragas nas lavouras, o nosso alimento seria inacessível para muita gente, principalmente às populações que se encontram em situação de maior vulnerabilidade social.

Fome: o maior desafio da humanidade

 Saiba mais

Apostar em sistemas que restringem tecnologias pode ser catastrófico

Você já imaginou quais seriam os impactos de uma produção agrícola que não utilizasse pesticidas, fertilizantes sintéticos e transgênicos? Quais seriam as consequências de uma retirada desses insumos sobre oferta de alimentos? Ainda que sempre possamos melhorar a forma como produzimos, você já pode prever que a remoção drástica de tecnologias pode agravar ainda mais o cenário de fome que estamos vivenciando no mundo.

O aumento dos preços dos alimentos – impulsionado pela elevação dos custos de fertilizantes, energia e transporte – em meio ao conflito na Ucrânia e a crise no Sri Lanka – fortemente influenciada por decisões de renúncia a tecnologias de nutrição e proteção de cultivos – nos mostra o quanto a cadeia de produção de alimentos é vulnerável às mudanças. Ela nos estimula a refletir sobre a complexidade do sistema e o quanto precisamos conhecer o impacto de cada modo de produção antes de nos posicionarmos.

Conhecimento e tecnologia transformam a agricultura familiar

Veja também

A agricultura orgânica e a produtividade

Uma pesquisa mostrou que a agricultura orgânica produz de 29% a 44% menos alimentos por hectare do que a agricultura convencional. Fato que contribui para que os produtos orgânicos cheguem a custar 50% mais do que os produzidos por sistemas convencionais. Portanto, somente consumidores de poder aquisitivo mais elevado podem suportar os aumentos de preços relacionados, mas a maioria das pessoas poderão sofrer consequências catastróficas.

Quando se considera a área necessária para que a produção seja a mesma nos dois sistemas, na mesma proporção, o orgânico requer 30% mais terra para produzir do que o convencional. Logo, a hipótese de um futuro sustentável baseado em alimentação exclusivamente orgânica não parece viável. Afinal, com o crescimento populacional, precisaremos aumentar a produção de alimentos, fibras e energia sem utilizar áreas maiores de terras.

Gráfico que sinaliza três tecnologias que otimizam a produção: os pesticidas químicos e biológicos, que permitem o manejo de pragas, as práticas adequadas de irrigação, e o melhoramento genético com biotecnologia.

 

O uso de fertilizantes, defensivos e a fome mundial

O nitrogênio é um macronutriente essencial ao crescimento dos vegetais. Uma vez que a oferta desse nutriente, pela decomposição de materiais vegetais, microrganismos e animais, não acompanha a demanda das plantas cultivadas para a produção de alimentos, é preciso repor o nitrogênio de forma sintética, o que é feito com o emprego de fertilizantes. Dada a sua importância no desenvolvimento de produtos alimentares, a menor oferta de fertilizantes, impacta diretamente na produção de alimentos, ameaçando o agravamento do quadro da fome.

Infelizmente, o cenário atual, diante da guerra na Ucrânia promovida por conflitos com a Rússia denuncia, de forma devastadora, o quanto a disponibilidade de fertilizantes é crítica para a oferta de alimentos. Dado que a Rússia produz 8% do nitrogênio do mundo e que já vinha enfrentando dificuldades na produção do insumo por conta da pandemia e restrições de políticas climáticas, o preço dos fertilizantes a base de nitrogênio ficou elevado.  Para agravar ainda mais a situação, quase 1/3 dos fertilizantes a base de potássio, nutriente também essencial para o crescimento das plantas, vem da Rússia e de Belarus.

Com isso, estima-se que o aumento dos preços dos fertilizantes possa diminuir a produção de cereais como o arroz em 10% na próxima safra, representando uma queda na produção de alimentos equivalente ao que poderia alimentar meio bilhão de pessoas. Um resultado devastador.

Qual a situação da segurança alimentar?

Saiba mais

Diante desse cenário, qualquer restrição ao uso de tecnologias agrícolas pode agravar ainda mais a situação da fome no planeta, um perigo à segurança alimentar. Precisamos nos concentrar urgentemente em maneiras de produzir mais alimentos para todos e a um custo menor.

Na Ásia, um outro evento merece ser citado.  O Sri Lanka, vive hoje uma crise social, política e econômica que se deve, entre outros fatores, ao banimento do uso de fertilizantes e pesticidas químicos em abril de 2020. De lá para cá, a produtividade do chá cingalês, produto típico do país, caiu pela metade e o mesmo aconteceu com o milho. As reduções foram de 30% para coco e de 35% para o arroz. No caso desse cereal, o país, que antes era autossuficiente e exportador, passou a importar US$450 milhões de arroz. Mesmo com a reversão atual da situação, não foi possível evitar as quedas nas colheitas e do governo que propôs a medida.

As restrições às tecnologias agrícolas pode ser catastrófico para a segurança alimentar

Ainda que sempre possamos fazer melhor e isso inclui, as políticas sobre o uso das ferramentas agrícolas, uma transição súbita deixando produtores e tecnologias comprovadamente eficientes para trás tem impactos devastadores. Qualquer decisão que interfira em um setor tão essencial como a agricultura, deve ponderar os impactos e buscar planos de transição, quando for o caso. Diminuição nos volumes de comida, perda de renda, aumento de área plantada e desmatamento não são consequências aceitáveis.

Por outo lado, recorrer ao uso de tecnologias que contribuem com o manejo de pragas e de irrigação, além de utilizar técnicas da biotecnologia para o melhoramento genético de plantas capazes de produzir mais e melhor sob diferentes condições climáticas, é essencial para aumentar os rendimentos e reduzir o custo da produção de alimentos.

Melhorar a eficiência do uso de fertilizantes sintéticos e investir em pesquisas para avaliar formas alternativas às dependências desses insumos provenientes de combustíveis fósseis também é uma maneira de contribuir com a produção sustentável de alimentos. Seria uma forma planejada de desenvolvimento sustentável a longo prazo, evitando consequências catastróficas a curto prazo.

Optar pelo consumo e produção de orgânicos é um direito incontestável, no entanto, focar em abordagens científicas e eficazes que podem alimentar o planeta é uma responsabilidade social e de extrema importância para combater a fome e a pobreza no mundo.

Por isso, realizar ações de maneira planejada e deixar toda a população esclarecida sobre a utilização dessas tecnologias é o melhor caminho rumo ao desenvolvimento sustentável.

Principais fontes:

Garcia, G; Cardoso, A.A.; Santos, O.A.M. Da escassez ao estresse do planeta: um século de mudanças no ciclo do nitrogênio. (2013). Assuntos gerais.  Quím. Nova 36 (9) https://doi.org/10.1590/S0100-40422013000900032

Knapp, S., van der Heijden, M.G.A. A global meta-analysis of yield stability in organic and conservation agriculture. Nat Commun 9, 3632 (2018). https://doi.org/10.1038/s41467-018-05956-1

Meemken, E.M.; Qaim, A.M. Organic Agriculture, Food Security, and the Environment. (2018) Annual Review of Resource Economics. P 39-63. V.10. N 1. https://doi.org/10.1146/annurev-resource-100517-023252

Aviso de cookies
Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies.
Saiba Mais